Book Review: Nevernight: A sombra do corvo, de Jay Kristoff

Quem invoca a Escuridão, acabará invocado por ela.
Título original: Nevernight
Tradutor: Clemente Pereira
Autor: Jay Kristoff
Páginas: 608
Ano: 2017
Editora: Plataforma 21
Onde encontrar: Amazon
Há histórias sobre Mia Corvere, nem todas verdadeiras. Alguns a chamam de Moça Branca. Ou a Faz-Rei. Ou o Corvo. A matadora de matadores. Mas, uma coisa é certa, você deveria temê-la.
Quando ela era criança, Darius Corvere – seu pai – foi acusado de insurreição contra a República de Itreya. Mia estava presente quando o carrasco puxou a alavanca, viu o rosto do pai se arroxeando e seus pés dançando à procura do chão, enquanto os cidadãos de Godsgrave gritavam “traidor, traidor, traidor”…
No mesmo dia, viu a mãe e o irmão caçula serem presos em nome de Aa, o Deus da Luz. E, embora os três sóis daquela terra não permitam que anoiteça por completo, uma escuridão digna de trevas tomou conta da menina. As sombras nunca mais a largaram.
Mia, agora com dezesseis anos, não se esqueceu daqueles que destruíram sua família. Deseja tirar a vida de todos eles. É por isso que ela quer se tornar uma serva da Igreja Vermelha – o mais mortal rebanho de assassinos de toda a República. O treinamento será árduo. Os professores não terão misericórdia. Não há espaço para amor ou amizade. Seus colegas e as provas poderão matá-la. Mas, se sobreviver até a iniciação, se for escolhida por Nossa Senhora do Bendito Assassinato… O maior massacre do qual se terá notícia poderá acontecer. Mia vai se vingar.

Em Nevernight vamos conhecer a história da jovem Mia, que quando criança viu seu pai ser enforcado e ser chamado de traidor, logo depois, levaram sua mãe e seu irmãozinho para prisão.
Nunca trema. Nunca tema. E nunca, jamais, esqueça.
Agora com 16 anos, quer vingança, e pra isso precisa entrar na Igreja Vermelha e virar uma Lâmina. Com a ajuda que teve de Mércurio, um senhor que conheceu quando criança no dia da morte do pai e a prisão da mãe. Ela pode aprender tudo sobre Venenos, Luta, Roubo e acima de tudo foco. Mércurio a tratou como aprendiz, mas a todo momento sentimos um carinho do senhor pela jovem. Mia é sombria, ou seja, pode invocar as sombras e a escuridão, ela nunca conheceu ninguém como ela, porém tem a companhia do Não-Gato o Sr. Simpático.
– A última coisa que você virá neste mundo, garota, é heroína de alguém. Mas será uma garota que os heróis temem.
Assim que Mia saí na jornada de encontrar a Igreja Vermelha no deserto, percebe que tem algo de errado na sua jornada. Por obra do destino ela encontra um outro jovem também seguindo para a Igreja Vermelha, o jovem Tric. Juntos os dois vão enfrentar Krakens e os sóis escaldantes, para chegar Na Montanha Silenciosa.
– Então o enigma começa a fazer sentido. A ultima filha de uma família desgraçada. rumo à melhor escola de assassinos de toda República. Tem planos para acertar as contas depois que se formar?
Quando tudo é sangue, sangue é tudo. 
Quando Mia entra na Igreja Vermelha, acaba conhecendo outros acólitos (aprendizes) e mesmo sabendo que eles não são amigos, e sim, outros assassinos. Ela acaba se aproximando de Ashlinn, uma jovem loira que parece ser um amor, mas a todo momento alerta Mia que estão ali para serem assassinos da Igreja, e não um grupo de amigos.
– Você jura servir à Mãe da Noite? Jura aprender a morte em todas as suas cores e a levar em nome dela a quem a merecer a quem não a merecer? Jura tornar-se uma acolita de Niah e instrumento terreno da escuridão entre as estrelas?

– Eles nunca vão ver a faca na sua mão se estiverem perdidos nos seus olhos. Nunca sentirão o gosto do veneno no vinho se estiverem bêbados com a sua aparência. A beleza só facilita as coisas, meu amor. Vai deixá-las mais fáceis do que são agora para você. Pode ser triste. Pode ser errado. Mas também é a verdade.
– O lobo não sente pena do cordeiro. A tormenta não pede desculpas ao afogado.

Mia conseguia sentir. O poder da noite correndo por suas veias. A escuridão faminta. A Mãe em pessoa, a deusa que a marcara, encarando aqueles homens que invadiram seu chão santo com olhos negros.
E ela estava com raiva. 
Nevernight é o primeiro volume desta trilogia de fantasia impecavelmente épica. Uma história apaixonante, sombria, intensa e visceral. O sarcasmo do narrador ajudará os leitores perseverantes a sobreviver neste mundo sanguinário e perverso.
– Ouça, garota. – Os livros que amamos nos amam de volta. E assim como nós marcamos a nossa posição nas páginas, as páginas deixam marcas em nós. Eu enxergo isso em você, do mesmo jeito que com certeza vê em mim. Você é uma filha das palavras. Uma garota com uma história para contar. 
A obra conta com muita ação perversa e suspense, tudo de forma intensa e sanguinária. Com personagens bem construídos, com suas qualidades e defeitos. Apreciei muito a personalidade da protagonista e dos antagonistas, digo apenas que é uma leitura surpreendente e vale muito a pena. Com apenas 600 páginas Jay Kristoff fez uma obra prima de arrepiar e deixar o leitor chocado.

Quero deixar ressaltado que é umas das minhas favoritas da vida, e recomendo iniciar a leitura com a trilogia completa na estante, porque o final de cada livro te deixa tremendo, e ansiosa para ter mais histórias do autor e seus comentários sarcásticos no rodapé do livro.
Ferro ou vidro?
Ela não era nenhum dos dois.
Ela era aço.
Livros demais.
Séculos de menos.
Espero de coração que tenham gostado do Book Review de Nevernight. Quero deixar claro que vai ter dos outros dois livros, é só clicar nas imagens abaixo.

Beijoss, e até a próxima!

Comentários

  1. Oi boa noite. Tudo bem? Sou brasileiro e quero apresentar o meu Blogger. Novos amigos são bem vindos, não importa a distância. Sou o seguidor número 1092.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderExcluir

Postar um comentário